No quadro de Rafael

“Esses dois métodos de conhecimento acompanharão praticamente toda a história do pensamento ocidental”, Coronel.

Na pintura de Rafael chamada “Escola de Atenas” identificamos Platão e seu discípulo, Aristóteles, ao centro. Há uma diferença fundamental entre os dois: um aponta para o céu, enquanto o outro, para a terra. O que isso quer dizer?

Diferente dos sofistas[1], Platão defende a possibilidade de um conhecimento verdadeiro, e destarte elabora certo sistema que dualiza o mundo em sensível e inteligível. O mundo sensível, o da matéria, é apreendido pelos sentidos, e o inteligível, o das ideias, é alcançado pela razão.

O primeiro é superficial e imitação do segundo, dando margem somente a opiniões (doxa). O segundo é anterior e independente do primeiro, profundo e original, fonte do conhecimento verdadeiro (episteme). Para se alcançar o mundo das ideias é necessário embate de teses, dialética ascendente – um aperfeiçoamento do método socrático[2] -, de maneira que se desconstruam gradativamente as opiniões em direção às formas mais seguras de conhecimento. Tudo deve partir e estar subordinado a bases atemporais.

Aristóteles também trabalha a partir da dialética, entretanto, invertendo os enfoques. Para ele, nada pode ser conhecido que não seja pelos sentidos. Diz ainda que as essências são inerentes às coisas, ou seja, a matéria não é mera imitação das entidades etéreas.

Se Platão ia do geral ao particular, Aristóteles fez a via contrária – como, por exemplo, na explicação do movimento, indo da coisa em movimento até o motor imóvel -, o que bem caracteriza sua filosofia realista. Os sentidos percebem o concreto e após elabora categorias lógicas (ideias). O silogismo é a ferramenta utilizada para tanto, que resumidamente implica no princípio da não contradição dos discursos.

Esses dois métodos de conhecimento acompanharão praticamente toda a história do pensamento ocidental. A divergência da filosofia clássica é reeditada na tensão Agostinho x Tomás de Aquino; Realismo x Nominalismo; Racionalismo x Empirismo; Hegel x Marx; e ainda no próprio embate “filosofias” x Ciência (dedução x indução). Certo é que o idealismo platônico e o realismo aristotélico continuam inspirando muitas tantas respostas diferentes sobre a origem das coisas.


  1. Pensadores da Grécia Antiga que negavam a existência de uma verdade absoluta.
  2. Consistia em desfazer preconceitos e conceber juízos autônomos.

ede0755338e6a4e41de86c09614db4f9_decorative-underline-clipart-clipartfest-drawing-art-_370-370

WhatsApp Image 2018-11-06 at 15.14.36

Fábio Coronel, professor e músico iludido. Idealizador do projeto Autonomia EaD | Divulgação Filosófica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s